Actor: CONSORCIO CMMS

Relaciones de este actor

ID Actor 1 Actor 2 Tipo Evidencia
47065 CONSORCIO CMMS GFD INVESTIMENTOS Economic - Bribe payment to "Regarding the bribe to the Supply Directorate, part of the Reapasse occurred through the conclusion of a service agreement between CMMS Consortium and GFD Investimentos, on 08/23/2011, in the amount of R $ 2,700,000.00 (event 4, annex132). The contract is signed by Carlos Alberto Pereira da Costa (GFD Investimentos) and José Humberto Cruvienl Rezende (representing Mendes Júnior in the Consortium), Ricardo Teixeira Fontes (representing Setal Engenharia in the Consortium) and Luiz Domingos de Prince (representing Consortium). Its purpose is ""consulting services in the business management of works and services""."
47064 CONSORCIO CMMS DIRETORIA DE ABASTECIMENTO DA PETROBRAS Economic - Bribe payment to Already the tip destined for the Petrobrás Services and Engineering Directorate in the CMMS Consortium, for the contract obtained in the Paulínia REPLAN Refinery, would be about R $ 19,023,288.46 and would have been brokered by Mario Goes.
47063 CONSORCIO CMMS DIRETORIA DE ABASTECIMENTO DA PETROBRAS Economic - Bribe payment to According to the complaint, the tip for the Petrobrás Supply Directorate in the CMMS Consortium, for the contract obtained at the Paulínia REPLAN Refinery, would be about R $ 9,462,471.89 and would have been brokered by Alberto Youssef.
46965 CONSORCIO CMMS RIOMARINE OIL & GAS - ENGENHARIA E EMPRENDIMIENTO LTDA. Economic - Simulating contracts with The part related to the Directorate of Services would have had as mediator Mário Frederico Goes. Mario Frederico Goes would use, in the criminal scheme, his company Riomarine Oil Gás Engenharia e Empreendimentos Ltda., Also fraudulating service contracts to justify the transfers. In the activity, he would count on the conscious help of his son, Lucélio Goes. In order to do so, two CMMS consortium contracts with Riomarine Oil and Gas were simulated, in addition to issuing fraudulent invoices, in the amount of R $ 3,886,200.00 in the years of 2008-2011
46910 CONSORCIO CMMS DIRETORIA DE SERVICOS DA PETROBRAS Economic - Bribe payment to The bribe, in this case, for the Services Directorate would correspond to 2% of the contract and additives, in the amount of R $ 19,023,288.46. The bribe, in this case, for the Supply Directorate would correspond to 1% of the contract and additives, in the amount of R $ 9,462,471.89.
46909 CONSORCIO CMMS DIRETORIA DE ABASTECIMENTO DA PETROBRAS Economic - Bribe payment to The bribe, in this case, for the Services Directorate would correspond to 2% of the contract and additives, in the amount of R $ 19,023,288.46. The bribe, in this case, for the Supply Directorate would correspond to 1% of the contract and additives, in the amount of R $ 9,462,471.89.
46740 CONSORCIO CMMS PAULO ROBERTO COSTA Economic - Bribe payment to """Augusto:­Acredito que não. Diferente da REPAR, aonde os pagamentos todos saíram da SETEC, na REPLAN acredito que a maioria dos pagamentos devem ter saído do próprio consórcio, eu digo a maioria porque, certamente a maioria sim, e foram orientados por mim."""" P. 53"
46724 CONSORCIO CMMS PETROLEO BRASILEIRO SA -PETROBRAS State- Stablishing contracts with """235. Houve, então, negociação da Petrobrás com o Consórcio CMMS que levou à redução da proposta a valor pouco abaixo e, por conseguinte, à celebração do contrato, em 21/12/2007, por R$ 696.910.620,73, tomando o instrumento o número 0800.0038600.07.2. 236. Pela Mendes Júnior, assinam o contrato os acusados Sergio Cunha Mendes e Alberto Elísio Vilaça Gomes. 237. O valor final do contrato ficou cerca de 17% superior ao preço de estimativa da Petrobrás. 238. O contrato ainda sofreu pelo menos cinco aditivos que, celebrados entre 18/12/2009 a 05/12/2011, implicaram a elevação do preço em R$ 254.253.804,73, chegando ele a R$ 951.164.425,46, muito acima da estimativa inicial da Petrobrás (R$ 593.874.456,00)."" P. 38"

Relaciones de este actor

ID Actor 1 Actor 2 Tipo Evidencia
66305 SETAL OLEO E GAS S/A CONSORCIO CMMS Logistic - Being part of 284. Conforme já mencionado acima (item 252), no processo 5048976-28.2015.404.7000, a pedido do MPF, foi decretada, em 08/10/2015, visando-se à apuração de pagamentos suspeitos efetuados pela empreiteira Mendes Junior a empresas com características de serem de fachada, a quebra do sigilo fiscal e bancário da Credencial, a partir da constatação de um pagamento, em 04/05/2012, de R$ 1.525.124,00 a ela pela empreiteira Mendes Júnior. 285. A partir da quebra, constatado ainda que a empresa recebeu, entre 26/12/2011 a 27/06/2013, R$ 12.923.735,84, do Consórcio CMMS (formado pela Mendes Júnior, MPE e Setal). 286. Já reconhecido na sentença prolatada na ação penal 5012331-04.2015.4.04.7000, cópia no evento 292, sent2, que, no contrato do Consórcio CMMS pela Petrobras para a execução das Unidades de Hidrodessulfurização de Nafta Craqueada (HDS), foram pagas propinas para agentes da Diretoria de Engenharia e Serviços e da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás. FUENTE: AÇÃO PENAL Nº 5030883-80.2016.4.04.7000/PR
66304 MPE MONTAGENS E PROJETOS ESPECIAIS CONSORCIO CMMS Logistic - Being part of 284. Conforme já mencionado acima (item 252), no processo 5048976-28.2015.404.7000, a pedido do MPF, foi decretada, em 08/10/2015, visando-se à apuração de pagamentos suspeitos efetuados pela empreiteira Mendes Junior a empresas com características de serem de fachada, a quebra do sigilo fiscal e bancário da Credencial, a partir da constatação de um pagamento, em 04/05/2012, de R$ 1.525.124,00 a ela pela empreiteira Mendes Júnior. 285. A partir da quebra, constatado ainda que a empresa recebeu, entre 26/12/2011 a 27/06/2013, R$ 12.923.735,84, do Consórcio CMMS (formado pela Mendes Júnior, MPE e Setal). 286. Já reconhecido na sentença prolatada na ação penal 5012331-04.2015.4.04.7000, cópia no evento 292, sent2, que, no contrato do Consórcio CMMS pela Petrobras para a execução das Unidades de Hidrodessulfurização de Nafta Craqueada (HDS), foram pagas propinas para agentes da Diretoria de Engenharia e Serviços e da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás. FUENTE: AÇÃO PENAL Nº 5030883-80.2016.4.04.7000/PR
65864 MENDES JUNIOR CONSORCIO CMMS Logistic - Being part of 284. Conforme já mencionado acima (item 252), no processo 5048976-28.2015.404.7000, a pedido do MPF, foi decretada, em 08/10/2015, visando-se à apuração de pagamentos suspeitos efetuados pela empreiteira Mendes Junior a empresas com características de serem de fachada, a quebra do sigilo fiscal e bancário da Credencial, a partir da constatação de um pagamento, em 04/05/2012, de R$ 1.525.124,00 a ela pela empreiteira Mendes Júnior. 285. A partir da quebra, constatado ainda que a empresa recebeu, entre 26/12/2011 a 27/06/2013, R$ 12.923.735,84, do Consórcio CMMS (formado pela Mendes Júnior, MPE e Setal). 286. Já reconhecido na sentença prolatada na ação penal 5012331-04.2015.4.04.7000, cópia no evento 292, sent2, que, no contrato do Consórcio CMMS pela Petrobras para a execução das Unidades de Hidrodessulfurização de Nafta Craqueada (HDS), foram pagas propinas para agentes da Diretoria de Engenharia e Serviços e da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás. Fuente: AÇÃO PENAL Nº 5030883-80.2016.4.04.7000/PR
46757 GFD INVESTIMENTOS CONSORCIO CMMS Economic - Simulating contracts with """400. Em 23/08/2011, foi celebrado entre a Consórcio CMMS, composto pela Mendes Júnior­MPE­SOG, representado por José Humberto Cruvinel Resende, e a GFD Investimentos, representada por Carlos Alberto Pereira da Costa, contrato de prestação de serviços. O contrato, devidamente assinado, previa pela GFD Investimentos, a ""prestação de serviços de consultoria em gestão empresarial das obras e serviços relativos à construção das duas unidades de hidrossulfurização de nafta craqueada (HDS) da UN­REPLAN, em Paulínia, tendo por contraprestação o valor de R$ 2.700.000,00. Relativamente a este contrato foram identificados pagamentos por nota fiscal de R$ 2.700.000,00 e depósito em conta da GFD Investimentos de R$ 2.533.950,00 em 05/01/2012. A documentação relativa a esse contrato encontra­se no evento 1, out199 e out 200."" p. 95"
46756 JOSE HUMBERTO CRUVINEL RESENDE CONSORCIO CMMS Logistic - Being the representative of """400. Em 23/08/2011, foi celebrado entre a Consórcio CMMS, composto pela Mendes Júnior­MPE­SOG, representado por José Humberto Cruvinel Resende, e a GFD Investimentos, representada por Carlos Alberto Pereira da Costa, contrato de prestação de serviços. O contrato, devidamente assinado, previa pela GFD Investimentos, a ""prestação de serviços de consultoria em gestão empresarial das obras e serviços relativos à construção das duas unidades de hidrossulfurização de nafta craqueada (HDS) da UN­REPLAN, em Paulínia, tendo por contraprestação o valor de R$ 2.700.000,00. Relativamente a este contrato foram identificados pagamentos por nota fiscal de R$ 2.700.000,00 e depósito em conta da GFD Investimentos de R$ 2.533.950,00 em 05/01/2012. A documentação relativa a esse contrato encontra­se no evento 1, out199 e out 200."" p. 95"
46723 MPE MONTAGENS E PROJETOS ESPECIAIS CONSORCIO CMMS Logistic - Being part of """223. Relativamente às obras na Refinaria de Paulínia ­ REPLAN, em Paulínia/SP, a denúncia reporta­se à contratação da Setal Oleo e Gas S/A (SOG), Mendes Junior Trading e Engenharia S/A e a MPE Montagens e Projetos Especiais S/A, que formaram o Consórcio CMMS, para a execução das Unidades de Hidrodessulfurização de Nafta Craqueada (HDS)."" P. 37"
46721 MENDES JUNIOR CONSORCIO CMMS Logistic - Being part of """223. Relativamente às obras na Refinaria de Paulínia ­ REPLAN, em Paulínia/SP, a denúncia reporta­se à contratação da Setal Oleo e Gas S/A (SOG), Mendes Junior Trading e Engenharia S/A e a MPE Montagens e Projetos Especiais S/A, que formaram o Consórcio CMMS, para a execução das Unidades de Hidrodessulfurização de Nafta Craqueada (HDS)."" P. 37"